Saturday, March 22, 2014

[Reviews] Black Sails - 1.08: VIII [Season Finale]


Procurando o horizonte de Black Sails.


Chegou a fim a primeira temporada de Black Sails. E durante esse percurso aprendemos algumas duras lições, assim como esses personagens. Aprendemos que muito plano e pouca ação não ajudam em nada e principalmente, aprendemos que quanto mais instável, melhor, para nós pelo menos. Mas a lição mais corrosiva e cruel foi aquela que nos diz que Black Sails não sabe segurar a tensão por mais de um episódio.

Infelizmente isso acabou se tornando um padrão para série, que não conseguiu manter nenhuma tensão por mais de um episódio. Se a perseguição do Scarborough nunca chegou a acontecer, a tomada do poder pelo Vane foi a coisa mais sem sal que eu podia imaginar. Depois de o cara ser enterrado vivo, matar um “gigante” enquanto balançava o piru e voltar com um exército eu pensei que as coisas esquentariam um pouco para o pessoal que ficou na ilha. Nada disso, as coisas foram rápidas e sem nenhum cuidado com a nossa experiência. Vane veio, conquistou e sem alarde nenhum já estava lá proclamando sua existência.

Mas por outro lado, se desprezarmos esses deslizes posso concluir que VIII foi um bom episódio. A junção de Silver e Flint foi sagaz. Novamente, só corrobora aquilo que eu venho dizendo desde quando o personagem apareceu. Silver enriquece qualquer uma das interações que ele tem na série, com qualquer personagem que seja. Eleanor, Max e agora Flint.

Flint, que mostrou a que veio. Não titubeou e riscou Gates de sua lista de amigos. Uma cena que me chocou e surpreendeu. Gosto de séries que se arriscam e gosto mais ainda de séries que sabem matar personagens que não tem muito a oferecer. Durante muito tempo a existência de Gates era justificada pela presença de Billy, agindo como um pai para o rapaz e tentando mediar as coisas entre ele e o capitão. Depois que Billy desapareceu, a única serventia para ele era de ser o agitador, o futuro traidor, coisa que eu duvidei que chegasse a acontecer meramente por que mantenho minha visão de que secretamente existia um amor muito grande ali. Toda aquela veneração chegou ao fim com requintes de crueldade, não foi uma facada no calor do momento, não foi um tiro acidental enquanto os dois lutavam por uma arma, Flint foi seco, quebrou o pescoço do amigo e teve todas as chances de parar a agressão, mas não o fez. Ou seja, não existirá redenção para ele.

Dessa forma eu percebo que fui um pouco negligente com o personagem Flint. Disse na review anterior que o personagem que mais me agradava e que eu mais via desenvolvimento era o Vane. Não estava errado, mas omiti Flint dessa equação. O capitão foi sim muito bem desenvolvido, por que assim como muitos naquele navio, eu nunca cheguei a confiar nele ou acreditar que existia alguma honra ali. Flint manteve sua gana pelo Urca viva até o último momento, toda a tensão que senti enquanto ele tentava acender o pavio do canhão foi só a cobertura desse bolo. Ou seja, não posso negar, Flint foi bem construído.

Se vocês fizeram a lição de casa e acompanharam todas as reviews, sabem muito bem que a Urca de Lima realmente existiu . Não revelei o que aconteceria com ele já que isso era algo que acabaria estragando a experiência de vocês com esse season finale. Agora, posso finalmente comentar sobre. O fato dela naufragar era certeiro, a tempestade realmente existiu e ela encalhou mesmo.  Hoje é tida como um museu arqueológico e existem fotos dos restos em várias páginas da internet, recomendo que pesquisem pois são muito interessantes.

Com essa revelação, as coisas mudam completamente para o capitão. Sua maior qualidade era de ser um mestre na estratégia a frente do navio. Agora seu tesouro está em terra e ele não tem a tripulação ou os canhões que roubou. E ele se beneficiará da presença de John Silver, que deverá ser crucial na segunda temporada da série.

Já do outro lado, na ilha de Nassau, as coisas aconteciam de uma maneira bem sucinta. Max agora é parceira do Rackham e Eleanor acabou recebendo um belo tapa na cara com as palavras da ex. Apesar das minhas críticas vejo que a série teve sim um propósito para sua personagem. Não foi o melhor para nós, já que ficamos muito tempo sem a esperteza da garota, mas imagino que para a próxima temporada a nossa recompensa esteja já em andamento. Max parceira do Rackham é melhor que Max prostituta encrenqueira do Silver, ou amante da Eleanor. Isso é fato.

Outro ponto que deverá render bastante para o próximo ano é a presença dos piratas do Vane. Claramente estes homens são instáveis e deverão dar uma bagunçada boa na ilha, especialmente naquele bordel. Pobre Max.

Mas não posso terminar a review sem comentar a bela cena de ação com os navios. O momento em que o inimigo revela todos os seus canhões para Flint foi sinceramente de ficar com a boca aberta. Gostei muito da forma como lidaram com a ação. Foi clara, não me senti confuso e ao contrário, fiquei satisfeito com isso.

Logo, Black Sails terminou de uma forma muito boa. Assim como começou. Existiram alguns deslizes durante a temporada, mas nada que comprometesse o desenvolvimento dos personagens em sua totalidade. Espero que a série consiga corrigir algumas coisas em seu segundo ano. O excesso de discursos a tornou monótona. Tudo o que quero e imagino que não estou sozinho  é ver uma série de piratas e não uma série de políticos. Aceito acompanhar piratas que saibam ser políticos, mas não pretendo continuar com uma série de políticos que tentam ser piratas.

Mapa na garrafa: Só eu tive a impressão de ter visto a silhueta do Billy Bones quando o Flint está acordando?

Mapa na garrafa 2: Perna de pau + Randall = Mistura perigosa.

Mapa na garrafa 3: Por um bom tempo eu fiquei preocupado com Black Sails, esse season finale compensou as viradas de olho e as bufadas de estresse.

Mapa na garrafa 4: Nos vemos na próxima temporada. Vamos bebendo umas garrafas de rum para não perder o espirito pirata. Ahoy!



Share:

Disqus for O Mundo das Séries

BTemplates.com

Labels

Blog Archive