Saturday, October 26, 2013

[Reviews] American Horror Story Coven - 3.03: The Replacements



'The Replacements' foi um episódio que quebrou radicalmente o ritmo de American Horror Story.
A série que vinha se desenvolvendo a passos lentos, nos poupando de suas tão costumeiras bizarrices, entregou no seu terceiro episódio os momentos mais insanos até o momento. Rituais macabros, incestos e zoofilia foram ingredientes deste seccional episódio que foi um equilíbrio perfeito das temáticas propostas pela série.

Ainda que o iminente confronto entre Fiona e Marie Laveau (Angela Bassett esteve particularmente fantástica) não tenha sido explorado, as tramas apresentadas foram mais consistente e os diálogos naturais. 'The Replacements' conseguiu corrigir muitas das inconstâncias dos dois primeiros episódios, além é claro de evoluir consideravelmente a trama e mitologia da temporada.



Em um episódio que muito aconteceu, a trama envolvendo Fiona foi a mais proeminente. A bruxa tem um forte senso de união com seu clã, algo que só é superado pelo seu orgulho e sua incessante busca pela juventude, que foi justificada de uma forma poética e coerente neste episódio. Mas além, através dela, aprendermos os critérios que fazem de uma bruxa a suprema de sua geração, o foco neste aspecto da trama não só desenvolveu melhor a personagem de Jessica Lange como jogou luz sobre os aspectos canônicos de Coven, ainda que tenha posto algumas incógnitas, como por exemplo, quem será a próxima suprema agora que o ciclo foi quebrado com a morte prematura de Madison Montgomery.

Aliais, deve se ressaltar que a escolha de Madison como a jovem suprema foi um acerto. Muitos podem até não gostar da personagem, mas deve-se reconhecer que foi curioso ver a responsabilidade posta nos ombros da desajustada personagem, é interessante como isso foge ao óbvio. Para expressar melhor o que digo, imagine que não fosse o nobre e corajoso Harry Potter o Escolhido em seu universo, mas alguém mais falho e comum. Talvez agora Zoe torne-se a suprema, só espero que a personagem se torne mais interessante.



Zoe ainda é inocente quanto ao contexto em que vive, movida por boas intenções ela entrega Kyle Spencer a mãe, sem imaginar os abusos pelos quais o personagem passava em vida (e é interessante e igualmente perturbador pensar em como o rapaz lidava com tudo isso). E mesmo que a trama aparentemente não seja tão atraente, devemos pensar nas conseqüências de tudo isso, em algum momento a ressurreição de Kyle virá a tona e dependendo de quem descobrir isso primeiro, os efeitos serão desastrosos, além é claro de expor a existência da isolada Misty.

A introdução da fanática religiosa Joan Ramsey (Patti LuPone) deve render uma trama menor, mas pode dar uma certa dor de cabeça a Fiona, só dependerá de quão grande é o seu fanatismo. Enquanto isso, Queenie se entrega para o minotauro enviado por Laveau em uma das cenas mais bizarras do episódio, mostrando que os roteiristas da produção podem ser extremamente loucos.

Coven entregou um episódio divertido, certamente gostaria ver um pouco mais sobre os conflitos que devem ser formar entre os clãs, mas é igualmente interessante conhecer um pouco mais sobre as personalidades das personagens e este episódio foi eficiente neste sentido. Ademais, tivemos momentos divertidos como os das moças de olho no vizinho ou mesmo o momento em que Madame LaLaurie se desespera ao ver que o presidente dos Estados Unidos é negro.



Pequenos detalhes fazem de Coven uma experiência interessante e distinta, sejam pelas pequenas referencias culturais que atribuem riqueza a mitologia da série ou mesmo pela curiosidade despertada por personagens como Spalding (Denis O’Hare), que apesar da breve aparição, já evidenciou que é muito mais importante do que imaginávamos antes. 'The Replacements' foi mesmo o melhor episódio até aqui. Um capitulo insano que sintetizou bem a essência da série.
Share:

Disqus for O Mundo das Séries

BTemplates.com

Labels

Blog Archive