Thursday, August 1, 2013

[Reviews] True Blood - 6.06/07: Don't You Feel Me/ In the Evening


Dois episódios, o ponto alto e o baixo da sexta temporada de True Blood.


Alerta de Spoilers!

Ultimamente True Blood tem se mostrado de volta a era de ouro da série. Episódios coesos, centrados e bem feitos. Do jeito que todo fã gosta, do jeito que todos nós pedimos desde o final da quarta temporada. Em dois episódios True Blood atingiu seu ápice e seu fundo do poço. Mas não se enganem, estou falando das emoções, não da qualidade dos episódios, ambos foram excelentes, apesar de um ter sido mais lento que o outro.

Sookie pode ter sido o foco até a quarta temporada, sua pussy mágica enfeitiçou vampiros até o momento em que Bill e Eric decidiram que iam se tornar amigos e esquecer da periquita de ouro da telepata. Claro, a série ainda tem como ponto fixo o triângulo Sookie, Bill e Eric. Mas a história não gira mais ao redor da pergunta "Com quem Sookie vai ficar, o loiro ou o moreno?". Agora, temos Warlow. Não apenas o Warlow que podia ser uma ameaça, o Warlow que é híbrido, não é tão ruim e ainda faz com que a Sookie tire a calcinha no meio do cemitério e bom, vocês viram, vocês sabem.

Mas as coisas estão tão boas na série, que eu preciso dedicar um momento todo especial para Billith. Se nós viramos os olhos para a ideia proposta no final da quinta temporada, tenho certeza de que agora todos estamos comemorando a decisão. Essas duas histórias paralelas que colocam dois vilões com roupagens diferentes no mesmo mix, são uma maravilha. De um lado, temos o governador, traído pela mulher, trocado por um vampiro e com uma filha recém transformada, com todos os motivos do mundo para querer se vingar de uma raça que só o proporcionou sofrimento. Do outro, temos Billith, uma criatura ainda misteriosa, com a missão de salvar uma raça, mesmo que para isso seja necessário elimiar ou domar outra, qualquer meio necessário. Os dois não tem escrúpulos, os dois baseiam suas decisões no "bem maior", só que nenhum deles sabe o que realmente será bom para os outros.

O processo de revitalização e limpeza em True Blood é tão grande, que se compararmos a importância dos personagens secundários até o final da quinta temporada e olharmos agora, poderemos ver que os poucos minutos separados para que eles tenham sua importância, são bem utilizados. Terry era um personagem que todos gostávamos e nosso amor com ele começou lá na segunda temporada, quando ele e Arlene começaram a participar das orgias da MaryAnn. Nosso romance com o casal ficou conturbado e frágil com a trama do Ifrit e agora foi encerrado com Terry encontrando finalmente a paz que ele queria. Verdade seja dita, os fantasmas que o consumiam eram fortes demais, ele já tinha desenvolvido problemas psicológicos que somente uma hipnose poderia corrigir, pena que ela aconteceu tarde demais.

Agora, só uma pergunta: Por que só pensaram em hipnotizar o cara agora? Ninguém podia ter livrado ele dessas dores antes? Mas pelo menos ele foi embora feliz, crendo que a vida que ele teve era a vida que ele sempre quis, um pai, padrasto, marido e cozinheiro perfeito e amado. R.IP. Terry. Agora é torcer para que condensem as aparições da Arlene, mas que não a excluam. Deixem que ela e Andy dividam a tela por mais tempo. Vocês viram, que é exatamente isso que está acontecendo. A série está juntando todos os personagens secundários no mesmo lugar, até a Portia apareceu no sétimo episódio.

Sam e Alcide, que também foram do ápice ao fundo do poço em dois episódios. Emma sendo entregue para a avó, dando um ponto final nessa cruzada. E depois Alcide sendo desmascarado pela própria matilha. As coisas estão ficando cada vez piores para os dois, imagino o que acontecerá agora que Sam precisa voltar para Bon Temps e Alice provavelmente terá que provar se é digno do posto que ocupa ou não.

Por falar no sétimo episódio. Que carga emocional foi essa? Depois de um episódio tão tenso, como o sexto, que termina com o Bill arrancando a cabeça do governador e mandando sua mensagem, temos todo o drama com Eric e Nora. Um flashback mostrando Eric encontrando Nora e depois toda a dor e sofrimento, do envenenamento da vampira até sua eventual morte, não tinha como não sofrer junto de Eric. Foi um episódio mais lento, mais pesado, para todos. True Blood se encarregou de eliminar dois personagens, nos jogando no chão junto.

Agora sobra o grande problema. Eric vai se juntar a Billith para se vingar, Bill quer que Warlow esteja no local para que todos drenem de seu sangue e possam andar no sol. Eu só consigo imaginar um final, banho de sangue em todos nós. Já Sarah Newlin, está de parabéns, todos os quesitos de bitch mor foram completados com sucesso.

Fechando esse arco maravilhoso de sete episódios ótimos, um breve fôlego para depois nos afundarmos novamente agora que estamos a apenas três episódios da conclusão dessa ótima temporada. Espero do fundo do meu coração que não estraguem tudo, mas acho bem difícil, já que mesmo True Blood entregando temporadas não muito interessantes, ela sempre conseguiu fazer finales ótimos.

Ps. Jessica não quis dar, depois deu. Jason, coitado.

Ps². Realmente, o sangue do Eric é potente, Willa já começou mandando em todo mundo, até na Pam.


Ps³. Pam, pare de ser biscate.
Share:

Disqus for O Mundo das Séries

BTemplates.com

Labels

Blog Archive