Saturday, April 19, 2014

[Reviews] The Originals - 1.18: The Big Uneasy


The Originals, um misto de ritmo acelerado e trama consistente.


Quanto tempo você achou que a trégua levantada por Elijah duraria? Pois é, não sobreviveu a primeira festa. E isso é ruim? De forma alguma. The Originals se firmou como uma série que sabe muito bem abusar do ritmo frenético. Não só abusar, mas utilizar essa velocidade a seu favor e não contra. Se vocês notarem bem, tudo foi uma progressão, sim, uma sequência de eventos que são muito bem justificados por tudo o que aconteceu na série até então. Nada é forçado, nada é sem pé nem cabeça, é tudo compreensível.

Marcel realmente chegou no ápice de seu desespero e começou a agir da mesma forma que Klaus. Eventos cíclicos que fundamentam toda a questão ao redor das consequências dos atos e daquele bom e velho clichê que diz que quanto mais você tenta não ser como seus pais, mais parecido com eles você se torna. Marcel é a exemplificação desse ditado.

O que mais me impressionou é que depois de uma pausa bem grande a série não se preocupou em manter um ritmo mais dosado e lento. Ao contrário, as coisas foram avançando com passos largos, não deixando os acontecimentos do final com a banda se cortando e os vampiros ficando loucos, como algo desesperado (para o texto). 

É uma pena que Elijah continue ignorante a realidade dos fatos. Sua família nunca vai ser esse comercial de margarina que ele quer. Sua vida nunca vai ser fácil e simples como ele deseja. Não importa o quanto ele se esforce, o quanto ele busque e o quanto ele queira, as coisas não terminam da forma que ele planejou. Isso, um vampiro tão velho quanto ele já deveria ter notado bem antes. Elijah, pare de ser tão mediador e comece a ir atrás daquilo que você quer, ou você vai perder.

Hayley mostrou ser uma personagem bem mais interessante. Tudo bem que ela tem a desculpa de estar grávida para ser o centro das atenções. Outro ponto válido é a mobilização das bruxas. Gostei um pouco de toda a exposição das meninas, mas por favor, parem com esse lance de tentar mostrar que essas meninas são adolescentes comuns. Elas não são. Todo o drama ao redor do "quem ganha presente e quem não ganha" foi tão pífio ao redor de tanta maturidade que as meninas vinham ganhando. Davina, você merece mais. Pelo menos o Josh poderá ser beneficiado, finalmente. Só queria questionar a imensa burrice dele em se aliar ao Marcel logo após receber o perdão do Klaus. Meu filho, não. 

Agora a missão é bem clara. O caos reina em Nova Orleans e tudo é volátil. Lobisomens, humanos (avulsos), bruxas e vampiros irão lutar pelo território. Mais uma vez The Originals mostra que sabe dividir seus núcleos e deu a cada um desses o mesmo objetivo, mas diferentes motivações e adjacências. Ou seja, não ficaremos presos a uma linha de ação apenas, outras coisas deverão influenciar os acontecimentos futuros.

Porém, não posso deixar de comentar a respeito da minha preocupação central com a série. Existe um ritmo muito rápido e forte, cheio de personalidade, me lembro muito de The Vampire Diaries em sua era de ouro. O problema começa quando a criatividade se esvai e as tramas começam a ser recicladas. The Originals não pode esgotar todo seu material em apenas uma temporada e imagino que demorará pelo menos mais dois anos até que isso de fato ocorra, se é que chegaremos lá. De toda maneira, fica aqui meu apelo: Não estraguem a própria mitologia da série como TVD vem fazendo, por favor.

Gostei muito desse 'The Big Uneasy'. Achei o ritmo e o foco da série bem explorados e ágeis. Não consigo imaginar como será o desfecho da temporada e isso é melhor ainda, geralmente a altura do campeonato eu já teria pelo menos duas teorias. Agora é aguardar para ver, e eu estou ansioso. Especialmente quando levo em conta que a série não poupou mortes e lá se foi mais um personagem, que apesar de secundário, tinha sua relevância. Não foi meramente uma morte, foi uma preparação e uma motivação. Gosto assim. 


Share:

Disqus for O Mundo das Séries

BTemplates.com

Labels

Blog Archive