Friday, October 18, 2013

[Reviews] Sleepy Hollow - 1.05: John Doe


A pestilência faz uma visita a Sleepy Hollow.


Alerta de Spoilers!



Não julgo que esse quinto episódio de Sleepy Hollow tenha sido tão bom quanto os anteriores. Mas também não acho que tenha sido ruim. A pegada mais lenta serviu para mais uma vez termos informações importantes quanto ao apocalipse, tudo isso mesclado com uma boa dose de loucura. E vocês já sabem, antes da tempestade, vem à calmaria. E se essa foi a ideia de calmaria que a série quis nos passar, eu já estou ansioso pela tormenta.

Mesclar Roanoke com o cavaleiro do apocalipse responsável pela pestilência foi muito legal e bem pensado. A colônia de Roanoke realmente existiu e as pessoas sumiram sem explicações (de verdade), gerando milhares de teorias malucas a respeito. Assim como a explicação dada para todos os acontecimentos até agora, essa também foi extremamente satisfatória. E sim, se você assistiu Supernatural, pode até estar se lembrando de Croatoan, certo? Pois foi em Roanoke que a frase foi encontrada talhada em uma árvore.

Na releitura da lenda de Roanoke feita por Sleepy Hollow, o espírito de Virginia Dare (primeira criança nascida na América inglesa), protegeu todos os habitantes da colônia depois que o cavaleiro da pestilência trouxe a praga que os estava matando. Essa dimensão isolada (ao melhor estilo Fringe), protegia o espírito dessas pessoas e evitava que a peste fosse espalhada para o restante do mundo. E é isso o que eu mais gosto em Sleepy Hollow, esse cuidado em levantar as questões e prontamente respondê-las, mas não entregando diretamente todas as respostas, nos fazendo pensar um pouco antes disso. Não tem coisa que eu mais odeio do que séries que subestimam minha inteligência e ficam dando todas as respostas várias vezes.

Dessa forma, os sete anos de tribulação abrem essa espécie de possibilidade para que brechas entre as dimensões se separem, dando a oportunidade necessária para que Thomas chegue a Sleepy Hollow. E melhor do que isso, a possibilidade de vermos Ichabod andando sobre as águas, mesmo que tenha sido um caminho escondido. 

Mas a série também começou a dar umas dicas de romance, ou será que só eu vi isso? Tenho sempre a mania de shippar casais e acabo vendo alguns onde não existem. Entretanto, a cena com Abbie mostrando seu desespero ao ver Ichabod sendo levado a força pelos agentes do CDC e depois sua fala de que ele pertence em Sleepy Hollow foi um forte indicador dessa possibilidade. Mas eu gosto mais da bruxa Katrina do que da Abbie, me perdoem. E foi bom ver a ruivinha novamente, estava com saudades dela.

Conforme eu disse na review passada, já vimos bastante do lado ruim das coisas na série. Já sabemos do inferno, do capiroto e agora descobrimos o purgatório, onde Katrina está presa. Em John Doe tivemos um vislumbre, ou só uma dica, de que o lado do bem também tem seus momentos. Mesmo tendo sido apenas uma demonstração interna da fé que Abbie está desenvolvendo, a cena na capela do hospital foi um sinal de que não, essa não é uma série só de demônios. 

Mas agora as coisas começam a ficar mais perigosas. O capiroto não vai ficar quietinho no purgatório desfilando sua forma física impecável e sua barriga zero enquanto Abbie e Ichabod frustam todos os seus planos de conseguir trazer o fim dos tempos sobre a humanidade. O esperado é que ele comece a tocar o terror em Sleepy Hollow. 

O agente Morales ainda não subiu no meu conceito, tão pouco o Irving, que eu ainda acho que estão lá só esperando o momento certo de realmente mostrarem as caras. Porém, eu até achei legal fazerem dele o cético do grupo. Se por um lado eu agradeci quando deixaram Ichabod e Abbie investigando as coisas sem interrupções, eu também achei um pouco estranho que absolutamente ninguém (tirando no episódio piloto), questionava a veracidade dos fatos de um homem que diz ser de 200 anos no passado. Morales agiu de maneira correta, mas ainda não entendi por que eu não consigo simpatizar com ele.

Já o caso do Irving é um pouco extremo demais, é quase como se quisessem que nós suspeitássemos dele. O cara demonstra uma fé enorme nos dois, tanto que ajudar a Abbie a sequestrar dois pacientes que para todos os olhos, estavam com uma doença altamente contagiosa, sustentado meramente na crença de que ela conseguiria resolver tudo, levanta um milhão de bandeiras vermelhas e sinais de néon querendo nos dizer que ele pode estar recebendo algumas informações privilegiadas. Só falta descobrirmos de que lado. 

Foi uma pena não termos a presença de nenhuma criatura estranha nesse episódio, eu já estava esperando um demônio aparecendo na série, e fiquei profundamente triste quando não vi nenhum, só o cavaleiro, que mais parecia ter saído de um filme do Akira Kurosawa. Mas tudo bem, o próximo episódio tem o John Noble e vamos concordar, vai superar qualquer criatura que a série já tenha feito até agora. 

Se eu tivesse então, que dar uma nota para esse episódio, eu diria que essa é um singelo 7,5. O lance da doença e do desespero foram legais, mas não chegaram a criar um sentimento de medo ou antecipação, parecia que eu estava apenas esperando a resolução final e a certeza de que tudo ficaria bem só aumentava. Faltou um pouco desse medo. Mesmo assim, gostei muito do episódio, até mesmo dos momentos cômicos do Ichabod e o instrumento mais dúbio do mundo, o plástico.

Ps. Abbie acabou de entrar no grupo "Ichabod, troca esses trapos". 

Ps². Próximo episódio tem a volta do cavaleiro sem cabeça. 

Ps³. Sleepy Hollow só volta dia 4 de novembro.  =(
Share:

Disqus for O Mundo das Séries

BTemplates.com

Labels

Blog Archive