Friday, October 11, 2013

[Primeiras Impressões] The Tomorrow People


Clichê.

The Tomorrow People é uma mistura de filmes e séries de super-heróis (saudades da época digna de Heroes) que já vimos por aí e o roteiro juntou basicamente todos os plots previsíveis e construiu o episódio piloto. Sabem o que é pior? Eu gostei! A série dá indícios (espero que isso aconteça) de que usará do clichê para construir algo diferente, algo que valha a pena.

Garoto problemático e isolado na escola, pessoas com poderes que vivem escondidas, organização que persegue essas pessoas que são consideradas o resultado da evolução humana… esses são apenas alguns dos elementos que compõe o caldeirão ordinário dessa series premiere. Entretanto, tudo foi muito bem trabalhado e construído, os acontecimentos não foram muito lentos e nem muito rápidos. Foi tudo elaborado na medida certa.

Como citei acima, os plots foram comuns, mas é aquele comum que deixa possibilidade para mais tarde desenvolver algo surpreendente. Os Seres do Amanhã (vocês estão lendo certo, o nome é esse mesmo) a princípio achavam que eles só tinham três poderes: teletransporte, telecinesia e telepatia. Stephen (Robbie Amell) chega para mostrar que eles também podem parar o tempo (ele pelo menos pode) e eu acharia interessantíssimo se eles desenvolvessem outros poderes e não se limitassem apenas aos 3T's. E de preferência que nem todos tenham também os mesmos poderes, só pra deixar tudo mais animado e movimentado.

Os efeitos especiais foram bons e corresponderam às minhas expectativas. Não posso deixar de comentar que lembrei muito de Dragon Ball e estava esperando que algum personagem gritasse “Kamehameha!!!” porque convenhamos, o movimento das mãos é idêntico, não tem como não lembrar. As cenas de ação também foram boas, embora eu ache que as lutas podem ser um pouquinho melhor coreografadas.

Quero ver como vão desenrolar essa história do Stephen trabalhando na ULTRA mas ao mesmo tempo não querendo fazer mal para os Seres do Amanhã (cada vez que eu escrevo e leio esse nome, soa pior). Tudo isso porque o mocinho quer saber o que aconteceu com seu pai, que também era um humano evoluído.

Devo dizer também que as atuações foram boas e convenceram. Destaque para o Stephen, John (Luke Mitchell) e Dr. Jedikiah (Mark Pellegrino). Já deu pra perceber que nosso alívio cômico será o Russell (Aaron Yoo). Eu prezo muito por humor nas séries que eu assisto, acho bacana quando os roteiristas conseguem mesclar melodramas com comédias.

Aqui vai minha única preocupação, a possibilidade do triângulo amoroso John/Stephen/Cara (Peyton List). Já estou botando o nome da Julie Plec na boca do sapo, porque certeza que tem o dedinho dela no meio disso. A CW deve ser amaldiçoada pelos deuses do triângulo amoroso, só isso explica. Na falecida The Secret Circle era Cassie/Diana/Adam, em TVD é Elena/Damon/Stefan. No piloto de The Originals também já deixaram a hipótese de Hayley/Elijah/Klaus. POR QUÊ? É bacana sim termos casais e romances nas séries, mas quando esses recursos são usados de forma abusiva, estragam absolutamente tudo. Fica cansativo e maçante assistir, porque no final tudo se baseia em: Quem vai ficar com fulaninho? E a mitologia da série é totalmente deixada de lado. Julia Plec e quarta temporada de TVD são provas de como essa palhaçada em excesso desandam a coisa.

No mais, vejo a série surpreendendo e positivamente lá na frente. Tem potencial pra isso, existe todo um universo a ser explorado. Seria bacana se os problemas não ficassem apenas entre os Seres do Amanhã X Ultra. Poderia haver a inserção de um supervilão, ou um grupo de supervilões. Enfim, é válido que desenvolvam outros arcos que tragam personagens ameaçadores para o grupo.

PS: Só eu achei que o John é filho do Jedikiah?

PS: Acho que o irmão do Stephen desenvolverá poderes.  
Share:

Disqus for O Mundo das Séries

BTemplates.com

Labels

Blog Archive